G-KZDPBHECNM
top of page
  • Foto do escritorFabrizzio Laroca

Guerra Civil: a grandiosa nova era dos blockbusters

Fomos convidados pela Diamond Films para assistir Guerra Civil, o novo filme de ação e drama bélico dirigido e roteirizado por Alex Garland, que estreia nos cinemas brasileiros no dia 18 de abril, conta com um elenco incrível com nomes como Kirsten Dunst, Wagner Moura e Cailee Spaeny, além de Stephen Henderson e Nick Offerman.



Queria começar esse texto te fazendo uma pergunta. O que acontece quando você junta a curadoria da A24, um diretor extremamente talentoso, um roteiro crítico e muito atual, um elenco que entrega um trabalho com paixão e vontade e um orçamento quatro vezes menor do que a média dos grandes filmes de Hollywood? Pois é, a resposta dessa junção, é o motivo para o título dessa crítica.


Tá curioso? Vem ver no detalhe o que a gente achou!

Guerra Civil: a grandiosa nova era dos blockbusters

Sobre o enredo

O filme conta a história de um futuro distópico, onde os Estados Unidos estão em meio a uma guerra civil. De um lado, o governo dos Estados Unidos, liderado por um presidente ditador, do outro a resistência, coordenada pelas Forças Ocidentais Separatistas, liderada pelos estados do Texas e da Califórnia. O país está em ruínas, as ruas não são seguras, tiroteios e bombardeios são cenas comuns. Em meio a esse caos, os jornalistas de guerra se colocam em situações de perigo e sobrevivência, enquanto tentam fazer o registro das linhas de frente de uma guerra que tira muitas vidas.



A história acompanha Lee Smith (Kirsten Dunst), uma premiada veterana que se tornou fotógrafa de guerras desde muito nova, uma mulher com uma vida repleta de traumas e experiências. Lee é acompanhada por seu parceiro Joel, interpretado por Wagner Moura, um jornalista ousado, carismático, cheio de marra e experiência.


Por consequências da vida, em sua incursão atrás do próximo furo jornalístico, acabam tendo que viajar com duas companhias inesperadas: a primeira delas é Jessie, uma jovem fotógrafa extremamente inocente e inconsequente, que além de ser uma grande fã da veterana, tem personalidade e força de vontade, muito parecida com Lee no começo da sua carreira. O segundo acompanhante é Sammy, um velho veterano e mentor de Lee e Joel, que trabalha para o The New York Times. Juntos eles seguem para o seu destino em busca de um grande furo jornalístico, seguindo para uma viagem em terreno arriscado e mortal.

Guerra Civil: a grandiosa nova era dos blockbusters

A história é contada com maestria, trabalhando a tensão de forma a deixar o espectador na ponta da cadeira. Esse filme é recheado daqueles tipos de cena que você se entrega, e quando vê, as mãos estão suando, você está retraído na cadeira e a perna está tremendo de nervoso!


Sobre o roteiro e a direção

Ele fez de novo! O diretor, que já tinha chamado a atenção do mundo todo com Ex-Machina e a sua incrível capacidade de fazer absurdos com pouco orçamento, chega em 2024 com, provavelmente, uma das suas obras mais gananciosas e impactantes.



Escrever um roteiro que fale sobre algo tão atual, conectado com tantos acontecimentos, rotinas e motivações do dia a dia desses profissionais não é uma tarefa fácil, mas Alex Garland entrega e não é pouco! O roteiro é recheado de tantas e tantas realidades vistas nos dias de hoje, tratando de assuntos como ditadura, totalitarismo, segregação e xenofobia de uma forma tão crua e natural, que é inevitável não pensar “será que é um futuro tão distópico assim?”

Guerra Civil: a grandiosa nova era dos blockbusters

A forma como é feita a construção de universo, a apresentação de personagens e a definição do momento político e dos costumes daquele futuro distópico é algo tão bem amarrado e conciso, que faz com que o filme pareça muito maior e mais completo do se imagina para uma produção de menos de duas horas.


Sobre o elenco

E se você chegou até aqui se perguntando “tá, mas e aí? O elenco é bom?”, eu tô aqui pra te tranquilizar e dizer: a atuação é o ponto alto do filme.


Com uma personagem completamente diferente de tudo o que a atriz já fez, Kirsten Dunst dá aula de interpretação, Lee demonstra uma profundidade emocional baseada em traumas e uma carga de culpa e desespero que vai muito além das cenas pesadas, Dunst entrega uma atuação que fala nas entrelinhas, percebida no olhar ou em uma simples conversa do cotidiano, a atriz dá show com uma atuação que constantemente carrega um grito de socorro.

Guerra Civil: a grandiosa nova era dos blockbusters

E cara, preciso falar, que momento vive Wagner Moura. O personagem dele esbanja carisma de forma natural, algo muito difícil de representar em um drama bélico pesado e sangrento como em Guerra Civil. Eu não sei explicar, ele interpreta Joel de uma forma, que faz as coisas parecerem mais leves do que são, o tipo de personagem que demonstra até entusiasmo por momentos e situações que outras pessoas ficariam horrorizadas. Mas não se engane, carisma não é sinônimo de alívio cômico, Joel representa toda a frustração e empolgação de um jornalista que dá tudo de si por uma boa manchete. Wagner Moura entrega muito! E esse filme é um ponto de virada chave na carreira do nosso brasileirinho, não duvido nada que venha uma indicação ao Oscar aí, tá?



E por fim, é incrível ver que Cailee Spaeny sim que interpretou Priscilla no filme de Sofia Coppola não perde potência atuando entre esses dois artistas em seus auges. A jovem atriz, que interpretou Jessie, demonstra muita atitude, potência e versatilidade em sua atuação. Sem dúvidas, Jessie é a personagem que mais sofre uma transformação durante todo o longa, e é visível e palpável a transição desses vários momentos da personagem, presentes na atuação de Cailee.

Guerra Civil: a grandiosa nova era dos blockbusters

Nosso veredito

Com um orçamento de “apenas” U$50 milhões, Guerra Civil reafirma algo que já vem despertando a atenção de Hollywood: os blockbusters estão mudando. O que antes era definido por investimentos estratosféricos, exageros, grandes franquias e muito CGI superfaturado, vem aos poucos sendo substituído por boas histórias guiadas por diretores talentosos. Aos poucos vemos a chegada de um novo cinema blockbuster, com produções que focam em qualidade de direção, roteiro, fotografia e atuação. 


Isso aqui é cinema! Guerra Civil emociona, critica e faz refletir. O filme chega como quem não quer nada e te acerta como um soco na boca do estômago, com uma fotografia potente, uma mixagem de som extasiante e atuações arrebatadoras. E pode anotar, com certeza irá se destacar entre os possíveis indicados a Oscar para 2025. Vale a pena ver essa obra de arte no cinema, se possível, assista em IMAX!



Comentários


bottom of page