• Nathália Correia

Tá na fossa? Esse filme vai te ajudar a superar o término do seu relacionamento

Atualizado: 27 de mai.


Quem nunca sofreu ouvindo Lana Del Rey depois de terminar um relacionamento? Nesse momento tudo o que queremos é ficar na bad e chorar pelo o que passou. Mas e se eu dissesse que uma comédia romântica pode te ajudar a seguir em frente, você acreditaria? Por isso, trouxe alguns motivos do porque você deve assistir “A Galeria dos Corações Partidos” e se envolver com o filme disponível na HBO Max.


Aqui vamos acompanhar Lucy, uma mulher viciada em colecionar objetos de seus relacionamentos. Após mais um término doloroso, ela se vê sem perspectivas de futuro, até conhecer Nick, um homem misterioso, gentil e bonito. Juntos, ela inaugura sua própria galeria de arte para expor objetos guardados de um amor que não deu certo. Aos poucos Lucy vai perceber que o amor pode estar surgindo em sua vida outra vez, mas será que ela vai querer encarar esse processo de novo?


Clichê moderno

Quando lemos a sinopse do filme parece que ele é apenas mais um clichê, mas, apesar de a produção ter sim muitos momentos previsíveis que já estamos acostumados, ela consegue trazer modernidade em detalhes sutis, como no figurino, no cenário, na representatividade de alguns personagens do elenco e nos diálogos. Assim, o longa consegue entregar um enredo, que é inicialmente básico e comum, de uma maneira mais atual e próxima da nossa realidade.




Fotografia

A fotografia desta produção é incrível e encantadora. As cenas tem planos de fundos agradáveis que, apesar de servirem como ambientação, não passam despercebidos. As cores são vivas e alegres e se alinham muito bem ao roteiro e à personagem principal, que é divertida, comunicativa e agitada. É impossível você assistir esse filme e não reparar na escolha das imagens que foi utilizada!


Muito aprendizado e superação

Superar um relacionamento que não deu certo é difícil e, às vezes, a forma que encontramos para contornar essa dor é se refugiar no passado junto com os momentos que não retornarão. Mas o filme nos faz refletir sobre encarar os problemas e seguir em frente. Lucy passa por uma jornada de empoderamento e autoconhecimento que a ajudam a adquirir uma maturidade para deixar o passado para trás e dar uma chance para o novo. Todo esse conhecimento vem mesclado com a comédia e com o romance, fazendo com que os ensinamentos sejam transmitidos de uma maneira leve.




A beleza está em sentir

Uma coisa que me agradou muito nesse filme é o fato de que o sentimento de tristeza e de dor é encarado como algo importante de vivenciar. Ainda encontramos várias pessoas que associam vulnerabilidade a algo negativo ou a sinônimo de fraqueza, fazendo com que muitos indivíduos tenham medo de demonstrar o que sentem para os outros. Aqui, este longa mostra que está tudo bem sofrer e que, na verdade, é desse sentimento que tiramos as melhores lições e aprendizados. Já ouviu o ditado “se a vida te der um limão, faça uma limonada?” É com base nessa ideia que Lucy inaugura a sua galeria e transforma sua vida.


A química incrível entre os personagens

Para finalizar, como uma boa comédia romântica, a atração entre os personagens é algo vital para o engajamento do público com a obra e o longa não deixa a desejar nesse ponto. Geraldine Viswanathan (Lucy) e Dacre Montgomery (Nick) tem uma química incrível no filme, o que faz com que a gente torça desde o início pelo casal, e as cenas que retratam a transição de uma amizade (puro clichê) para um possível romance aquecem o nosso coração.




Posts recentes

Ver tudo