G-KZDPBHECNM
top of page
  • Foto do escritorMarcos Silva

Fúria Primitiva: no meio da vingança, Dev Patel abre seu coração

Atualizado: 22 de mai.

A convite da Diamond Films, conferimos o eletrizante Fúria Primitiva, um filme de ação estrelado e dirigido por Dev Patel. O filme chega aos cinemas em 23 de maio. Confira a seguir o que achamos dele!

Fúria Primitiva: no meio da vingança, Dev Patel abre seu coração

O enredo do filme 

Acompanhamos Kid, um jovem que ganha a vida em um clube de luta underground. Usando uma máscara de gorila, ele é espancado por lutadores noite após noite, tudo por dinheiro. Sua vida toma um novo rumo quando descobre uma maneira de se infiltrar na elite sinistra da cidade.


Após anos reprimindo sua raiva, Kid começa a liberar o trauma de sua infância. Seu objetivo é acertar as contas com os homens que lhe tiraram tudo, mergulhando-o em uma espiral de violência e retaliação.

Fúria Primitiva: no meio da vingança, Dev Patel abre seu coração

A trama é uma combinação de ação frenética e uma narrativa intensa, que nos faz mergulhar na psique do protagonista. À medida que Kid enfrenta seus demônios internos e externos, o filme nos conduz por uma história de redenção e justiça, onde cada luta expressa sua dor e determinação.



A imersão e o ritmo 

A trilha sonora é um dos pontos altos do filme. Cada música que surge compõe e dá o tom da ação na tela. A fotografia aposta em tons escuros e contrastantes, criando uma atmosfera sombria e corrupta que reflete o ambiente em que a história se passa. 

Fúria Primitiva: no meio da vingança, Dev Patel abre seu coração

As cenas de ação estão extremamente bem coreografadas, com ângulos de câmera que intensificam a sensação de sufoco e desespero. Cada golpe é sentido de maneira visceral, e a câmera de mão nos coloca como se estivéssemos no meio da ação, lutando pela sobrevivência ao lado do Kid. Esse estilo meio John Wick mantém o ritmo frenético do filme, que sabe acelerar e desacelerar para desenvolver a história.


A atuação de Dev Patel é outro destaque. Ele consegue transmitir a angústia e o sufoco que seu personagem enfrenta, inserido em um ambiente totalmente hostil e abusivo. Patel também estreia como diretor neste filme, e sua direção fluida é essencial para a harmonia do projeto. Tudo, desde o roteiro até a fotografia, colabora para criar uma narrativa coesa e impactante.


Cultura, mitologia e temas políticos

Fúria Primitiva: no meio da vingança, Dev Patel abre seu coração

O filme encontra inspiração na lenda de Hanuman, uma divindade hindu de força e poderes místicos. Hanuman, um ser musculoso com cabeça de macaco, é figura central na vida de Kid, servindo de inspiração e conectando com a sua infância. A história de Hanuman, que trouxe uma montanha inteira para curar um ferido, mas também enfrentou desafios de autoconfiança, ressoa profundamente com a jornada de Kid no filme. 



A narrativa explora a opressão de minorias na Índia, destacando a intolerância religiosa e a ascensão do fascismo conservador. Esses elementos adicionam profundidade ao filme, transformando a vingança pessoal de Kid em um ato de resistência contra a injustiça. Uma tribo devota de Shiva e Parvati, composta de pessoas trans e não conformes de gênero, acolhe Kid quando ele é gravemente ferido, e o ajuda a compreender sua dor através do contato com a natureza.

Fúria Primitiva: no meio da vingança, Dev Patel abre seu coração

Essas cenas são um dos maiores destaques do filme. Ver uma minoria marginalizada, vista como estranha e com olhos de repulsa, ganhar protagonismo e mostrar sua resistência através da arte e da natureza torna o filme único e poderoso. A coragem de dar voz a pessoas trans e não conformes de gênero é uma das mensagens mais emotivas e inspiradoras do filme.


Veredito Final

No final das contas, Fúria Primitiva pega um roteiro simples de vingança e o eleva através de uma rica tapeçaria de cultura, mitologia e crítica social. Em sua estreia como diretor, Dev Patel cria uma obra emocionante e reflexiva, explorando a beleza e complexidade da Índia, desde suas lendas até seu cenário político contemporâneo.

Fúria Primitiva: no meio da vingança, Dev Patel abre seu coração

Ao se abrir sobre suas inseguranças como um homem de origem indiana, Dev traz à tela uma obra que ele gostaria de ter visto quando criança. Ele viveu as emoções e dores de ser um diretor durante a pandemia, filmando cenas com seu próprio iPhone e continuando a gravar mesmo após quebrar a mão. Isso mostra um artista comprometido com sua visão, disposto a fazer o que for preciso para trazer sua história à vida. 



A decisão da Netflix de não continuar o projeto acabou sendo uma bênção, pois Jordan Peele, como produtor, trouxe a visão de Patel para as telonas, onde é a melhor maneira de apreciar a profundidade e a intensidade oferecidas. E devo um agradecimento especial pela cena em que a tribo de pessoas trans retalha os fascistas ao som de heavy metal. Obrigado por tanto, Dev.


Comments


bottom of page